sexta-feira, 13 de março de 2009

Depois de um ano novo... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Para ler ouvindo "Outros Sonhos" do Chico Buarque

Para que não tem a música aí vai o link do youtube http://www.youtube.com/watch?v=LIs9anDRns0

OBS: NÃO ASSISTA O VÍDEO! Dá medo! Apenas ouça-o enquanto lê. Grato


Logo de manhã acordar bem cedo e aproveitar o Sol. E como se toda a ironia da vida já não fizesse um barulhão... Foi pisarmos na areia da praia que uma sinfonia de gotículas, nem tão finas para serem garoa, nem tão voluptuosas (voluptuoso soa tão voluptuoso, não?), nem tão voluptuosas para serem consideradas chuva, invadiu a nossa vontade de "país tropical banhado pelo mar".´
Após o descontentamento inicial resolvemos caminhar entre a àgua que dançava no chão e a que vinha cambaleando do céu. E foi só aceitarmos que a tarde seria assim, úmida, que o céu se abriu e com ele um alçapão se abriu na areia e e nós caímos no castelod e um príncipe. E o príncipe, um lindo príncipe de baixa estatura, nos recebeu sorrindo. Ele nos levou ao jardim e as flores, todas, nos deram bom dia. No dia seguinte, certamente, um de nós se casaria com alguma delas... Talvez a meis cheirosa, ou a mais sedosa, ou com mais espinhos. Não sei. Mas um de nós certamente se casaria.
E no casamento todos cantávamos e bebiamos em comemoração àquele jovem amor. A questão é que quando a flor jogou seu Buquê, descobrimos tratar-se de um buquê de chuva e, no fim, se atirava feito um Kamikaze, nas minhas mãos de menino, um temporal desses típicos dos dias de carnaval usados pro Deus para refrescar a multidão. Eu segurei o buquê, ou o temporal, como preferir, até não poder mais. E quando quase não aguentava mais alguém cantou "Amor I Love You", eu lembrei de você e desaguei. Pasmem. eu dormia e sonhava, e o meu sonho foi invadido por uma música da Marisa Monte e a música, como se controlasse essa minha televisão particular, os meu sonhos, mudou de canal sintonizando no canal em que você sorria.
E enquanto eu olhava sua vontade de peixinho de nadar sem parar do profundo à superfície, do profundo à superfície, do profundo à superfície, que pensei em te dizer que jamais desaguaria a tempestade da flor em um aquário. Bem... Abri as mãos e virei um rio, desaguei como um rio. Que é pra você ser livre. Que é Pra você saber que nessa minha correnteza transparente e pedregosa, o meu coração, você, peixinho, pode nadar até muito longe.

5 comentários:

no caminho para o infinito disse...

gostei do texto lÉo, assim como gosto de suas musicas.

tomo sua arte na poesia com o exemplo para a minha.
gostei bastante, tenho que ler o resto do sei blog.


só pra te lembrar, aqui é o otávio, amigo do luiz, irmão da ana.

abraço.
fiz um blog tambpem se puder, de uma olhada.

André Rafael disse...

Em algum momento adicionei seu blog à minha barra de favoritos, e embora tenha aberto algumas vezes, ainda não havia tido tempo para lê-lo. Antes da metade desse texto, pensei: nossa, preciso mostrar esse texto pro Léo!
É... bem. Gente desligada é assim mesmo, não repara.
Gostei muito.

Reni disse...

meu novo blog, Leo!

www.colpadellaluna.blogspot.com

beijocas!

Maurice Lisbona disse...

Só posso dizer que vc é um espetáculo@

Christiano Kubis disse...

Que lindo :-). Vou te divulgar http://www.asrubricas.blogspot.com/